• Everton Silva

O que fazer em Budapeste

Uma das cidades mais incríveis do Leste Europeu, considerada a Paris do Leste. Saber o que fazer em Budapeste é imprescindível para poder garantir que a sua visita seja o mais proveitosa possível.



Como foi uma das cidades que mais sofreu com as grandes guerras, Budapeste tem sinais em toda parte desse episódio triste da história. Mas isso não a torna nenhum pouco menos interessante, ou mórbida. Pelo contrário... é um símbolo de força!


A primeira coisa que você precisa saber é que a cidade é dividida em 2 partes. Pois estamos falando de duas cidades que se tornaram uma só. Buda e Peste! Ambas divididas pelo Rio Danúbio, onde o lado Buda é o que tem o Castelo e o lado Peste é o que tem o Parlamento.


A língua falada é o Húngaro (difícil pra caramba) - A moeda de lá é o Florin (euro é aceito em poucos lugares, melhor trocar mesmo) - E caso você esteja vindo de outra cidade da Europa, aconselho usar Trem ou ônibus, uma vez que o aeroporto é beeem longe do centro!

Hospedagem

Para escolher a melhor parte da cidade pra ficar, não tem muito segredo. Escolha o lado Peste, e uma distância a pé do Parlamento. Dali, facilmente você vai para os outros pontos turísticos (os principais pelo menos) a pé até e consegue desbravar mais o que a cidade tem para oferecer.

Passeios

Vamos ao que importa, que é o que você pode fazer em Budapeste. E em matéria de pontos turísticos, essa cidade é repleta de atrações!


Passeio de barco no Rio Danúbio

Esse é um dos mais pedidos, pois além de você poder ver a beleza da cidade pelo seu ângulo mais legal, pode misturar a experiência com um jantar flutuante, ou simplesmente um brinde.



Independente de champanhe, jantar ou seja o que for que você queira adicionar, na minha opinião, cruzar Budapeste pelo Danúbio é o mais importante, e você não deve perder!


Visita ao Parlamento


Um dos maiores parlamentos do mundo, que ainda funciona como um prédio político onde se reúne a Assembléia Nacional da Húngria, mas tem uma área aberta para visitação. Esse símbolo de Budapeste, é uma construção imponente e seja de dia ou de noite, se você passar em frente vai parar para olhar.

Nos arredores do parlamento você vai encontrar uma peça de arte que representa um momento muito triste e sombrio da história de Budapeste, que é o Monumento dos Sapatos.


Esses sapatos de ferro estão aí para lembrar o desespero dos judeus que se atiraram no Danúbio a fim de escaparem de serem capturados pelos nazistas na segunda guerra mundial. É bem mórbido e triste, mas é uma maneira de nunca esquecermos o que passou, e lutarmos para que jamais se repita.


Cruzar a Chain Bridge


Budapeste é considerada a cidade das pontes. Talvez por ser dividida pelo Rio Danúbio em quase toda a sua extensão.

De todas as pontes que cruzam o rio, dando acesso ao lado oposto (tanto Buda quanto Peste), a mais famosa e bonita é a Chain Bridge (Ponte das Correntes em português), que foi construída após um príncipe que estava com seu pai doente do outro lado da cidade, não consegui cruzar o rio a tempo de encontrá-lo com vida.

Turisticamente falando, a Chain Bridge é a melhor em todos os aspectos. Principalmente porque cruzar ela a pé te possibilita ir para os melhores pontos turísticos de ambos os lados da cidade.

Infelizmente essa não é a construção original. Pois na segunda guerra, todas as pontes de Budapeste foram destruídas. Mas é uma réplica fidedigna que garantiu que essa memória não fosse apagada da história da cidade. E ela segue sendo a que mais chama atenção dentre todas que cruzam o Rio.


Funicular Budapest Castle Hill


Um funicular que servia como meio de transporte para as pessoas atingirem o topo e assim conseguirem chegar na entrada do castelo na parte Buda. Hoje ele serve mais para que os turistas apreciem a vista na subida, já que há várias outras maneiras de chegar lá em cima.

Esse funicular foi aberto em 1870 e é sem sombra de dúvidas a melhor opção pra quem não quer fazer esforço subindo as escadas de acesso ao castelo Buda. Sem contar que a vista da subida é bem legal também!

O preço para usar o funicular é de 1200 florins por trajeto, e se você comprar o ticket de ida e volta, ainda rola um desconto. Funciona das 7:30 às 22:00 horas.

Mas o que é mais interessante, até pra você explorar o próximo ponto que vou falar nesse post, é você subir de funicular e descer à pé!


Buda Castle


O castelo imponente que fica no topo do Castle Hill e pode ser visto de praticamente toda a cidade, é outro lugar que quando você for a Budapeste, não poderá nem pensar em não visitar.


Atualmente o Castelo abriga a Biblioteca Széchenyi, a Galeria Nacional Húngara e o Museu de História de Budapeste. Ou seja, dá pra entrar nele pra visitar!!!


A entrada tanto para os museus, biblioteca quanto o tour dentro do castelo, tem um custo. Mas explorar os jardins e os arredores dele, é totalmente de graça e já vale por si só o passeio!


Bastião dos Pescadores


Construída para ser uma fortaleza de defesa usada em guerras, mas que nunca foi utilizada para isso, essa construção de 1902 além de ser mais um charme de Budapeste, possibilita que o turista tenha mais uma vista estonteante do lado Peste da cidade.


As torres representam as 7 tribos que fundaram a Hungria, e no meio da fortaleza você se depara com a estátua do Estevão I que foi o último grão príncipe e o primeiro rei da Hungria, considerado depois até um santo entre os húngaros.


Além dos inúmeros pontos pra se apreciar a vista da cidade lá de cima, você ainda encontra a Igreja de São Matias bem em frente à fortaleza, que é outra jóia da arquitetura de Budapeste (eu sou suspeito em dizer, porque sou fã de igrejas bonitas na Europa).

Foi esse o ponto que eu escolhi pra assistir o meu primeiro pôr-do-sol em Budapeste. E apesar de não ser um daqueles lugares que você vê o sol se escondendo (que foi o que eu estava em busca), eu fui capaz de ver um espetáculo maravilhoso que é Budapeste escurecendo e acendendo suas luzes! Pode marcar aí no seu to do do roteiro, que não vai se arrepender!


Citadella


O ponto mais alto de Budapeste. Fica no lado Buda, bem no topo da colina Gallért.

Tá aí uma atração que mesmo que você seja um super atleta, eu não aconselho subir à pé, pois é muita ladeira minha gente, e você tem que passar por várias ruas de um bairro residencial pra chegar até lá! O ônibus da linha 27 te leva lá tranquilo

A Citadella é conhecida por abrigar a estátua da liberdade de Budapeste, que recebeu esse nome quando os húngaros finalmente se viram livres dos nazistas que dominaram a cidade durante a segunda grande guerra.

São cinco estátuas, cada uma segurando um símbolo representativo. E a principal que é a do meio carrega a folha de louro pra simbolizar a liberdade.

Na parte de trás da estátua, fica a fortaleza que foi usada em toda a sua história como objeto de opressão e estratégia de defesa e guerra. Hoje lá dentro funciona um museu, que eu sinceramente não quis entrar, pois a segunda guerra mexe muito comigo.

Praça dos Heróis


A praça mais bonita de toda Budapeste, na minha opinião.

Lá você vai ver as estátuas dos 7 líderes das tribos fundadoras da Hungria.


Essa praça fica bem mais afastada de toda a concentração de atrações turísticas da cidade. No extremo do lado Peste, bem no final da principal avenida que é a Andrássy.

Do lado da praça você encontra o Museu de Belas Artes de Budapeste, que é um dos mais famosos da cidade também.


E seguindo um pouco mais à frente você passa pelo Parque da Cidade (Városliget) onde vai também encontrar o Castelo de Vajdahunyad que é conhecido como o castelo do Conde Vlad.


Basílica de São Estevão


A principal e mais notória basílica da cidade, que mesmo pra quem não é religioso, ao passar por Budapeste, não pode deixar de conhecer pelo menos a frente.


Essa é a maior igreja da Hungria, e a visitação é aberta ao público que queira subir nas torres. Claro que por um precinho camarada (500 florins - equivalente à 7 reais)





Balneários Termais

Coloquei em um bloco apartado, porque esse é um dos maiores atrativos de toda Budapeste. Sim senhoras e senhores, além de tudo isso que essa cidade maravilhosa já tem pra oferecer, temos um item a mais pra colocar na lista, que na minha opinião você só deve escolher em qual vai ir, porque deixar de conhecer uma das termas é absurdo quando o assunto é viajar para Budapeste.


E como a cidade tem várias (são mais de 100 mananciais espalhados), vou listar as principais para vocês!


Termas Széchenyi

A maior e principal de todas, um espaço super chique no estilo neogótico com uma pintura amarela vibrante, que vai garantir pra você horas de divertimento ou simplesmente relaxar em uma das suas diversas piscinas de águas termais, saunas e espaços de spa.


Ela fica numa distância andando do Parque da Cidade. E volta e meia tem festas com Dj's e várias atrações variadas pra garantir a diversão dos frequentadores.

Uma das piscinas inclusive tem uma correnteza que é muito legal!



Eu escolhi a Széchenyi e garanto que não me arrependo ou se quer senti vontade de ir nas outras!


Termas Gellert

Por mais que a Széchenyi seja a maior da cidade, a Gellert é a mais popular e mais frequentada, por causa da sua localização. Tanto que a piscina coberta principal dela, é frequentemente usada como cenário para várias fotos e propagandas de publicidade.



Termas Rudas

Essa é a mais antiga e tradicional de todas. Há mais ou menos uns 200 metros da Citadella, o Balneário Rudas que foi fundado lá nos anos 1550 segue soberano com suas tradições e estrutura impecável.


Como parte da tradição, por muitos anos mulheres não eram permitidas nesse balneário. Hoje há dias específicos que só homens possam entrar, mas esses ainda existem. E são nesses dias que você deve saber que a maioria dos frequentadores são homossexuais. Portanto, se tem algum problema com isso ou se é mulher, é sempre bom ver a programação no site deles, pra saber quais são os dias que não rola o público misto.

Até porque nesses dias, alguns homens nem usam roupas de banho.


Onde Comer

Mercado Central


Na minha opinião (e eu já escrevi isso em diversos posts sobre outras cidades aqui), a melhor forma de conhecer uma cidade na sua essência, é visitando o mercado municipal dela.

E o de Budapeste não se permite ficar de fora dessa teoria!

Com uma gama enorme de coisas para comer e comprar, você vai descobrir nos corredores como os húngaros se alimentam, se vestem e o que eles usam pra enfeitar suas casas.

É um dos maiores mercadões que eu já entrei em toda a minha vida e você chega a ficar confuso com tantos corredores e escadas, e mezaninos.

Lá você vai poder experimentar o tradicional goulash que está para os húngaros assim como o arroz e feijão está para os brasileiros.


O prato se assemelha a uma sopa de carne, ou simplesmente um picadinho com molho e batatas, servido num bowl.



Essas são minhas dicas pra você aproveitar essa cidade sensacional que é Budapeste!


Sobre Mim

✈ World Traveler

♉ Taurino - Nascido em 1988

 English, Spanish and Portuguese spoken

📍São Paulo - Brasil

🐶😺 Amo animais

 

Leia Mais

12924473_1124827837567708_11127484166396

© Pra onde ir agora?